segunda-feira, 6 de setembro de 2010

Novos Evangélicos?! por Augustus Nicodemus Lopes

A revista Época desta semana (7/8/10) traz reportagem de capa sobre a reação de diversos segmentos da igreja evangélica ao crescimento das igrejas neopentecostais. O artigo pode ser lido aqui:


http://www.pulpitocristao.com/2010/08/nova-reforma-protestante.html

 O título é Os Novos Evangélicos e a capa é ilustrada com uma foto da construção de uma réplica do templo de Salomão que está sendo realizada pela Igreja Universal em São Paulo.

O artigo representa um avanço na maneira como a mídia em geral trata os evangélicos, como se fossem todos farinha do mesmo saco. E farinha imprestável. Ricardo Alexandre, o articulista, reuniu depoimentos de líderes evangélicos de diversos segmentos (incluiu um sociólogo ateu) e mostrou como todos eles concordam numa coisa: sua rejeição às doutrinas e práticas das igrejas neopentecostais e o desejo por uma mudança profunda nos atuais rumos da igreja evangélica brasileira.

Neste ponto, nada a reparar. De fato, de pentecostais a episcopais, reações contrárias a estas igrejas, consideradas como seitas por algumas denominações históricas(*), têm sido veiculadas abertamente por meio de blogs e livros. Já estava na hora da grande mídia ouví-las e entender que nem todos que fazem reuniões onde o nome de Cristo é citado são necessariamente evangélicos ou mesmo cristãos.

Eu só fiquei um pouco desconfortável com dois ou três pontos da matéria que cito aqui. Estou à vontade para isto uma vez que meu nome foi mencionado no artigo, ainda que de raspão.

1) Achei que o título do artigo na capa é um equívoco histórico, pois “novos evangélicos” se aplica mais exatamente a grupos como a IURD, Renascer e Igreja Mundial e não aos que estão reagindo a estes grupos. Eu não me considero um “novo evangélico” e sim um bem antigo, com raízes históricas na Reforma do séc. XVI e teológicas nas Escrituras Sagradas. Não tem nada de “novo” em nosso desejo de ver o antigo Evangelho ser pregado corretamente em nossa pátria. Estas seitas é que chegaram ontem. Todavia, entendo o autor. Estes grupos neopentecostais cresceram tanto e influenciaram tanto a mídia e a opinião pública que viraram o padrão. Eles é que são os “evangélicos”. Quem não é como eles e quer mudanças é visto como o novo, a novidade.

Num certo sentido foi isto que aconteceu na Reforma. Os reformadores foram acusados pelos papistas de estar trazendo “novidades” na igreja, ao pregar que a justificação era pela fé somente. Lutero e Calvino retrucaram que estavam pregando as antigas doutrinas da graça, encontradas nos Pais da Igreja e nos ensinos de Cristo e de Paulo. Eu entendo que para uma igreja como a de Roma, com vários séculos de existência, os protestantes pareciam nova seita. Mas convenhamos - considerar episcopais, presbiterianos e assembleianos como “novos evangélicos” é passar recibo para a pretensão destes grupos sectários de serem igreja evangélica legítima.

2) Também achei que pode ter ficado a impressão para leitores menos avisados que os reacionários estão unidos entre si e que se aceitam mutuamente, sem problemas. Antes fosse. Mas, nem sempre o inimigo do meu inimigo é meu aliado. Eu entendo que o foco do artigo é as igrejas da prosperidade. Mas não posso deixar de ressaltar que aqueles que se levantam contra os abusos destas seitas não são necessariamente aliados entre si. Na verdade, pode haver entre eles diferenças tão abissais como a que existe entre eles e as seitas da prosperidade.

3) Denunciar o erro dos outros não nos absolve dos nossos. Se por um lado as seitas neopentecostais espalham um falso evangelho deformado pela teologia da prosperidade, há os que também propagam um evangelho distorcido pelo liberalismo teológico e por heresias antigas. As seitas da prosperidade acabaram sendo demonizadas como a própria encarnação do anti-evangelho a ponto de, conforme o artigo de Época, se fazer necessária uma nova Reforma protestante. Não discordo deste ponto, apenas considero que o enfoque nele acaba desviando a atenção de outras linhas de pensamento dentro dos arraiais cristãos que são tão prejudiciais quanto a teologia da prosperidade e que igualmente clamam por uma Reforma.

Por exemplo: e aqueles que destroem a fé em Jesus Cristo e nos padrões morais do Cristianismo? A mídia fica indignada com o mercenarismo dos pastores destas seitas, mas aplaude os evangélicos que defendem o casamento gay, o aborto, a teoria da evolução contra o relato da criação, o relativismo moral, o sexo livre e o ecumenismo com todas as religiões. A mídia não consegue enxergar que liberalismo teológico e teologia da prosperidade são irmãos gêmeos e hipocritamente aplaude um e condena o outro.

Não me entendam mal. A reportagem está correta. É preciso deixar claro que estes grupos neopentecostais estão deturpando o Evangelho de Cristo. Porém, é tendenciosa. Retrata os neopentecostais como a raiz de todos os males no meio evangélico, esquecendo o dano feito pelos liberais, pelos defensores de outro deus e pelos libertinos.

4) Por último, acho que faltou mencionar que os chamados “novos evangélicos” concordam apenas que é preciso uma mudança, mas discordam entre si quanto ao modelo de igreja que deve ocupar o lugar desta seitas. A Reforma do séc. XVI, em que pesem as diferenças entre os reformadores principais, tinha uma mensagem relativamente uniforme e praticava um modelo de igreja que era basicamente o mesmo. É só comparar as confissões de fé escritas por presbiterianos, batistas, episcopais, congregacionais e independentes para se verificar este ponto. Já os tais “novos evangélicos”… bem, há entre eles desde os “desigrejados,” que desistiram completamente de qualquer coisa que se pareça com uma igreja, até aqueles que desejam apenas expurgar o modelo tradicional de igreja dos acréscimos indevidos em sua doutrina, culto e prática, mantendo a pregação, o batismo e a ceia e o exercício da disciplina para os membros faltosos.

E no meio ainda temos os emergentes, as igrejas em células sem liderança oficial, igrejas com liturgia inclusiva e por aí vai.

É aquela velha história. Grupos contrários se unem contra um inimigo comum e após vencê-lo começam a brigar entre si. A luta comum contra as igrejas da teologia da prosperidade está longe de representar uma nova Reforma. Quando esta luta terminar - se é que vai terminar um dia - teremos de continuar a outra, mais antiga, que é contra o liberalismo teológico fundamentalista, o relativismo moral, o pluralismo inclusivista e o libertinismo que assolam os evangélicos no Brasil muito antes de Edir Macedo abrir seu primeiro templo. Para mim, estas coisas são até mais perniciosas, pois enquanto que as seitas neopentecostais criam suas próprias igrejas e comunidades, os liberais se infiltram nas estruturas e igrejas criadas por conservadores e drenam seu vigor até deixar somente a carcaça.

(*) A Igreja Presbiteriana do Brasil, por exemplo, passou a considerar a IURD e a Igreja Mundial do Poder de Deus como seitas desde julho de 2010, exigindo que membros destes grupos sejam rebatizados ao ingressarem nas igrejas presbiterianas locais.  

Fonte: http://tempora-mores.blogspot.com/2010/08/novos-evangelicos.html


Retornamos

DK

2 comentários:

  1. Dc. Carlos Roberto - Bel. Teologia9 de setembro de 2010 23:45

    Caríssimo irmão Daniel, muito lhe prezo e seu comentário esta a contento. Permita-me tão só fazer um breve comentário adicional acerca deste embróglio. Na verdade as Igrejas pentescostais, incluindo a nossa própria denominação, cresceu muito e acabou se tornando uma Empresa do Evangelho (claro que não estou generalizando), mas as questões fundamentais e espirituais foram deixadas de lado para dar lugar ao Administrativo, para o oportunismo. Mas existe um monopólio do evangelho em que as verdades nas escrituras exaradas só são validas se interpretadas por sacerdotes credenciados ao sistema (não sei se me entende). Voltamos a adotar Dogmas as quais nós mesmos, condenamos na antiga Igreja Romana. Pastores são os donos da verdade. Quem realmente interpreta a Bíblia são eles. Grande equivoco. Fazem e desfazem, promovem e enconstam de lado, como se a Igreja fosse uma empresa privada em que todos os funcionários tem que cantar a música dos patrões. As posições eclesiásticas, então nem se fala. Ja se foi a questão de procurar homens de boa conduta e cheios do espirito santo. Basta tão somente, estar elencado no rol de "Puxa sacos". Os famosos "vaquinhas de presépio" em que tudo concordam, mesmo que tenham que subtrair o senso de justiça, conforme Mateus capitulo 5 a seguir. Na verdade meu caro amigo Daniel, Jesus não veio inaugurar nenhuma Igreja, senão trazer ensinamentos práticos para uma nova forma de viver que a partir de então concebidos, daria vida ao "Reino dos Céus" ainda na terra. Aquela forma de viver estampada em atos, ali nos primeiros capitulos. Creio sim, que é necessário uma reforma. Mas não uma revolução, não o "Abrir mais uma Porta de Igreja. Refiro-me tão somente "voltar ao Cristianismo Bíblico". A frase estampada no cartaz da ultima página da entravista da revista em que vc fez menção tras mais ou menos esse titulo: "Voltemos ao evangelho puro e simples. O Show tem que acabar". É isso que vivemos hoje. Verdadeiros shows evangélicos. Teologias do Toma lá da Cá. Teologia da Negociata com Deus. Esquecemos da verdadeira missão da Igreja 'A Diaconia". A igreja existe,para servir os outros. Não fora isto, não tem sentido de existir. Muitos que galgaram posições eclesiásticas, esqueceram que na Hierárquia Espiritual, o Maior é servo!!!! A Igreja tem que ser servida e não servir. vivemos um paradoxo hoje meu nobre amigo. É preciso voltar. Ratifico as palavras finais daquela bem oportuna frase: "O Show tem que acabar". Grande abraço meu nobre amigo.
    Dc. Carlos Roberto da Silva - Bel Teologia
    carlosegalega@hotmail.com

    ResponderExcluir
  2. Grande Carlos, pois é, seu nobre comentário da uma bela de uma postagem em!!! obrigado pela visita.

    ResponderExcluir